Não quis ser perfeita

Fiquei farta de regras, cansei de que me digam o que fazer e o que não fazer, que ponham a mão sobre mim e que gritem comigo, que errem e digam “tu não podes errar”, que quando sorria é porque sorria e quando chorei diziam “porque choras? Tudo te corre bem”. Fartei e por mais errado que tenha sido, eu senti-me única uma vez na vida. Existe alturas que todos nós cansamos de viver a vida dos outros, cansamos de ouvir e queremos também falar, queremos viver apenas o nosso momento, ser apenas “eu”. Caminhei na vida de muitas pessoas, dei a mão muitas vezes, olhei sempre para o bem, sempre com objectivos e com críticas boas, o sorriso não me chegava, queria chorar também, dei de mim mais do que tinha e cansei! Quis que caminhassem comigo, quis apoio, quis falar do que é meu e ninguém me ouviu, eu era perfeita de certo modo, mas cansei da perfeição então procurei outros horizontes mesmo sendo errados, eram meus. Ninguém compreendeu, as minhas opções, as minhas escolhas, o meu olhar. Ninguém procurou saber o que se passava, apenas fiquei farta de ser perfeita e quis experimentar o proibido. Quis ir além, sozinha! Fartei-me de experimentar e de ver o que não era meu, o que não fazia sentido para mim, se calhar para elas fazia sentido, terem alguém do lado delas, sentiam que não estavam sozinhas, tinham sempre um apoio e eu? Por mais perfeita que fosse eu não sentia isso, não estava completa, não me compreendia. Então fui á procura de respostas e por mais errado que tenha sido, senti que fui apenas eu! Errei sim, mas porque quis errar e aprender com os meus erros e não com o dos outros, quis saber qual a sensação de ser magoada, de ser traída, de sentir o sabor do pecado, do mal, da inveja. Sei que pode ser ridículo o que estava a sentir, mas o bem não me chegava, não me satisfazia, não sentia que estava a crescer, sentia-me parada no tempo, vivendo uma ilusão do bem e do perfeito. F*** para o que era perfeito e errei. E hoje com todo o gosto eu digo, eu gostei de errar! Pois cresci e vi coisas diferentes.

Mensagens populares deste blogue

Permanência do Silêncio