Preciso te ver, nem que seja de vez em quando, nem que seja para alimentar o coração. Maldito! Infelizmente, me habituei á rotina, aos costumes errados, e não querendo vou continuar amar-te mesmo com a tua presença inconstante. Sabes? Quando estou sozinha é quando me lembro mais de ti e dou por mim, inconscientemente e no meio do sofrimento, dizendo  “eu o amo, eu o amo tanto”, e lembro a falta que tu me fazes, todos os dias.
Quanto mais tento me afastar de ti, mais o destino traça algo para me levar junto do teu caminho. Eu não sonhei com isto, não para nós. Nós somos tão parecidos um com o outro, das qualidades até aos defeitos, eu não queria te amar assim. O medo de sofrer, de iludir, gritam! Pois não mais consigo viver longe de ti. Eu idealizei cuidar de ti, sussurrar ao teu ouvido o tamanho do meu amor por ti, mas a vida é assim, amamo-nos, humilhamo-nos, escreve textos, cartas, lagrimas… Dando por nos a procurar forças para enfrentar o céu e a terra para ficar ao lado da pessoa que realmente sonhamos. Pelo menos, já foi dito, quando Deus une, nem o tempo nem a distância e nem o homem separará, e se fosse preciso te esperaria dias, meses, e até séculos se fosse preciso…

Mensagens populares deste blogue

Permanência do Silêncio