Avó


Não sei se tudo o que sou hoje foi apenas por te ter, não sei se foi por fazeres parte da minha vida, talvez seja apenas uma noite que adormeci a pensar em ti e sonhei…
Sonhei que contigo aprendi a ver mais alto, a voar, a ser maior e ao recordar todas as tuas palavras, o teu sorriso, a tua história de vida, sei que ainda tenho muito para aprender e que todas as minhas lágrimas não substituem as tuas. Só tu consegues tirar partido de mim, só tu me fazes acreditar que os sonhos são capazes de se realizar e que consigo saltar para além do céu.
Nesse sonho me fizeste esquecer o medo e a ver a vida a cores para este amor que criaste. Não sei se o mundo mudou só por te ter, talvez fizeste algo em mim que mais ninguém conseguiu fazer, cresci de recordações que vivemos as duas, aprendi a dar cor às estrelas, a dar sentido ao mundo… aprendi adormecer a dor.
 Tu abriste teu coração e caio a história de vida que passamos, as frases mais belas que disseste, o sentimento que criamos juntas e no meu coração, eu sei, que és tudo o que eu sempre quis, do meu lado tu não estas e apenas sinto o teu amparo quando ando perdida, apenas sinto a tua alma e a tua paz perto de mim quando vagueio na escuridão.
Nesse mesmo sonho, chorei por ti, a dor instalou-se no meu coração, a saudade travou a minha respiração, sentia-me sozinha e corria… corria na tua procura, perguntava: “Onde estas avó?” mas não obtive resposta. Meti os joelhos no chão e rezei, aclamei por deus e implorei para que tu não fosses embora, mas deus preferiu levar-te para longe de mim. As lágrimas corriam sobre o meu rosto como se tivessem roubado o que era meu e eu não pude fazer nada.
Acordei e vi que não era apenas um sonho, as lágrimas eram reais e a dor era verdadeira. A pergunta era a mesma: “Onde estas avó?”.
Hoje, a saudade vive no meu coração, era eu pequenina e a tua beleza era o meu fascínio, o teu carinho era único, tu podias ter pouco mas davas-me o mundo se fosse preciso, sem ti muito já não faz sentido.
Diz-me, onde estas? Avó, onde estas tu?

Descansa em Paz, Cidália Rocha

Mensagens populares deste blogue